PGR mira Lava Jato por suposta investigação camuflada de políticos

PGR suspeita que políticos podem ter tido sigilos quebrados de maneira irregular pela Lava Jato. A equipe do procurador-geral da República, Augusto Aras, vem procurando possíveis inconsistências e erros em denúncias apresentadas pela força-tarefa da operação “Lava Jato“. A informação foi publicada na tarde de quinta-feira (2) pelo jornalista Leonardo Cavalcanti, no jornal digital Poder360. […] Leia no site da RENOVA Mídia » PGR mira Lava Jato por suposta investigação camuflada de políticos

PGR mira Lava Jato por suposta investigação camuflada de políticos
PGR suspeita que políticos podem ter tido sigilos quebrados de maneira irregular pela Lava Jato. A equipe do procurador-geral da República, Augusto Aras, vem procurando possíveis inconsistências e erros em denúncias apresentadas pela força-tarefa da operação “Lava Jato“. A informação foi publicada na tarde de quinta-feira (2) pelo jornalista Leonardo Cavalcanti, no jornal digital Poder360. Segundo a reportagem, os presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal aparecem como “Rodrigo Felinto” e “David Samuel” numa extensa denúncia de dezembro de 2019. A avaliação é que essa “camuflagem” dos nomes do deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) e do senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) seria uma técnica para os procuradores de Curitiba investigarem autoridades sem se submeterem aos foros adequados. Os nomes completos dos dois são Rodrigo Felinto Ibarra Epitácio Maia e David Samuel Alcolumbre Tobelem. O documento era previamente conhecido, mas nunca ninguém havia se dado conta dessa camuflagem. Ainda de acordo com o site, a PGR encontrou outros casos semelhantes ao de Maia e Alcolumbre, inclusive de ministros do STF. A suspeita é de que políticos podem ter tido sigilos quebrados de maneira irregular pela força-tarefa. Até agora, no entanto, não há provas de que de fato os nomes camuflados em denúncias possam ter sido todos investigados pela Lava Jato. É isso que a PGR em Brasília agora tenta descobrir. Em nota à imprensa, a força-tarefa da Lava Jato negou as acusações de que investiga políticos com foro privilegiado, denunciando um “contexto de ataques desleais contra o trabalho dos integrantes da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, por meio de ilações falsas e sem qualquer comprovação”. Leia no site da RENOVA Mídia » PGR mira Lava Jato por suposta investigação camuflada de políticos