Oxford avança estudos sobre injeção de anticorpos contra coronavírus

Oxford também é responsável pelos estudos mais promissores na busca por uma vacina contra o coronavírus. Cientistas da Universidade de Oxford, no Reino Unido, estão avançando estudos para tratamento da infecção por coronavírus com a injeção de anticorpos.  Os pesquisadores disseram¹ que a terapia deve ser importante para idosos e pessoas que não respondam bem […] Leia no site da RENOVA Mídia » Oxford avança estudos sobre injeção de anticorpos contra coronavírus

Oxford avança estudos sobre injeção de anticorpos contra coronavírus
Oxford também é responsável pelos estudos mais promissores na busca por uma vacina contra o coronavírus. Cientistas da Universidade de Oxford, no Reino Unido, estão avançando estudos para tratamento da infecção por coronavírus com a injeção de anticorpos.  Os pesquisadores disseram¹ que a terapia deve ser importante para idosos e pessoas que não respondam bem a uma eventual vacina, que ainda está em fase de desenvolvimento. É importante ressaltar que tratamentos com anticorpos são diferentes de vacinas.  No caso da injeção de anticorpos, a “defesa” do organismo é aplicada diretamente no sangue do paciente, cujo corpo fica instantaneamente armado para neutralizar o vírus. Já no caso da tradicional vacina, o sistema imunológico da pessoa é estimulado a produzir sua própria defesa. Nos dois casos, seja com vacina ou com a terapia com anticorpos, a intenção é reduzir ou impedir a replicação do vírus no organismo, acelerando a recuperação.  Dos mais de cem protótipos de vacinas contra a Covid-19 em desenvolvimento atualmente no mundo, a da Universidade de Oxford é a que está na fase mais avançada² de testes.  2 mil pessoas participarão³ dos testes desta vacina no Brasil — em São Paulo e no Rio de Janeiro. Referências: [1][2][3] Leia no site da RENOVA Mídia » Oxford avança estudos sobre injeção de anticorpos contra coronavírus